ERITEMA NODOSO


 

Definição

O Eritema Nodoso é uma reação cutânea inflamatória caracterizada por lesões nodulares, principalmente em áreas extensoras  das pernas, mas pode acometer com menos freqüência, regiões da coxa e do antebraço.  A importância do Eritema nodoso não é a lesão em si, porém, sua relação com outras doenças, como infecções de vias aéreas, ou com doenças mais graves como o Linfoma sistêmico. 

 

O Eritema nodoso não é uma doença, e sim uma síndrome clínica, associada a várias etiologias. Pode ser manifestações de infecções, sensibilização a medicamentos, ou de causas mais graves, como Linfoma sistêmico.  As lesões tendem a desaparecer em seis semanas, mas podem recorrer se a causa básica não for tratada. O Eritema nodoso pode ser considerado uma espécie de alergia, integrando, portanto, o "sistema de alarme" do organismo. Como alteração em si, não tem maior importância.  

 

Os portadores de Eritema nodoso geralmente não dão maior muita importância  ao problema. Esse procedimento pode ter várias explicações, e uma delas é que a maioria das pessoas é atingida na adolescência ou na juventude, quando são muito comuns as alterações na pele. Outra explicação, é a de os eritemas regredirem espontaneamente,  depois de no máximo 3 meses. Contudo, algumas vezes a alteração pode tornar-se crônica ou não sarar totalmente, e as manchas que haviam desaparecido reaparecem.

Histórico

Essa síndrome foi primeiramente descrita por Willan, em 1798, esboçado precisamente por Eramus Wilson, em 1842, e expandido por Hebra, em 1866.  

Incidência

Fisiopatologia

O processo inflamatório se foca na derme profunda limítrofe e no tecido adiposo, perivascular e nos septos interlobulares. Ocorre um infiltrado linfo-histiocitário, observando-se extravasamento de hemácias e ocasionalmente neutrófilos. O Eritema nodoso pode ser atribuído a um tipo de reação que ocorre como  resposta a uma ampla variedade de agentes agressores.

Causas

O Eritema nodoso pode ser causado por vários tipos de agentes. No norte e no oeste europeu e nos Estados Unidos da América a infecção estreptocócica e Sarcoidose são os mais importantes. No Brasil, a principal causa apontada para o Eritema nodoso é a Tuberculose pulmonar, em outras partes do mundo, a Tuberculose, o uso de medicamentos e as infecções fúngicas devem ser investigadas, devido às suas prevalências na comunidade. Algumas doenças e agentes associados ao Eritema nodoso:

 

Doenças infecciosas:

Fungos:

Vírus:

Drogas:

Enteropatias:

Doenças malignas:

Idiopática:

Eritema nodoso e a Tuberculose

O Eritema nodoso tem sido útil, muitas vezes, para possibilitar a detecção de germes da Tuberculose, em pessoas que jamais suspeitaram de sua presença.  A Tuberculose provocada por germes do gênero Mycobacterium, pode desencadear o aparecimento dos eritemas nodosos, como primeira manifestação, em qualquer de suas localizações possíveis (pulmonar, renal, cutânea e outras). Aparecendo essa alteração cutânea suspeita, o médico poderá solicitar um raio X do tórax ou o teste de Mantoux.

Sinais e sintomas

O quadro geralmente se inicia com os seguintes sintomas:

 

Período prodrômico:

Características dos nódulos:  O Eritema nodoso caracteriza-se pelo aparecimento, mais ou menos repentino, de nódulos duros e muito dolorosos, localizados debaixo da pele. Seu aspecto tem certa semelhança com as inflamações provocadas pelas picadas de alguns insetos. Os nódulos, mais ou menos salientes, formam-se na parte dianteira da perna e provocam dores tão agudas que, muitas vezes, prejudicam a marcha. Não possuem forma regular, mas quase sempre se aproximam da circular ou ovalada. Seu número é muito variável, pode haver poucos eritemas, dois ou três, apenas, ou até dezenas deles em um só membro. A coloração dos nódulos é geralmente vermelho-violeta e o tamanho varia de um a vários centímetros. 

 

Período agudo:

 

O Eritema nodoso em alguns casos, pode se alastrar muito, chegando a atingir coxas, nádegas, tronco e até mesmo os membros superiores. O curso agudo caracteriza-se por alterações de cor semelhante a hematoma, dependendo da causa base o eritema pode durar até 3 meses, sem deixar seqüelas nem cicatrizes.

 

 

Obs:  A importância  do aparecimento do eritema, reside no fato de que muitas vezes ele denuncia a existência de uma afecção até então insuspeitada. 

Diagnóstico

Obs:  Apesar de todos os recursos diagnósticos, é muito alto o índice ainda de pacientes com Eritema nodoso, cujas causas principais não são descobertas. Tais pacientes devem ficar em observação, comparecendo ao médico periodicamente, pois a doença primária pode aparecer a qualquer tempo, como também pode nunca mais se manifestar.

Diagnóstico diferencial

O diagnóstico diferencial deve ser feito para que o Eritema nodoso não seja confundido com outras patologias com quadro clínico semelhante. Através dos exames clínico, físico, laboratoriais, testes cutâneos e intradérmicos,  o médico pode excluir essas doenças, até chegar ao diagnóstico correto. As doenças  que podem ser confundidas com o Eritema nodoso são as seguintes: 

Tratamento

O tratamento é sintomático conforme os sintomas apresentados e suas intercorrências. O Eritema nodoso deve ser tratado de acordo com a causa responsável pelo quadro.  A lesão usualmente desaparece após seis semanas, mas pode recorrer.

Apoio psicológico: Os pacientes com problemas dermatológicos podem ver e sentir seus problemas, e estes os afetam mais do que a muitos portadores de outras patologias, por isso o apoio psicológico por parte da equipe de enfermagem é fundamental para esses pacientes.

 

Prognóstico: Os prognósticos dessa afecção também são condicionados pela moléstia básica que a determina. Mas, como regra geral, a doença desaparece dentro de aproximadamente três meses, podendo em muitos casos, reaparecer.


Dúvidas de termos técnicos e expressões, consulte o Glossário geral.